Bem vindo ao Site Brasileiros Muçulmanos - Últimos Artigos: Capítulo 103, Al-Asr (O Tempo) - Capítulo 110, An-Nasr (A Ajuda) - Capítulo 102, At-Takathur (A cobiça) - Capítulo 98, Al-Bayyinah (A evidência clara) - Capítulo 90, Al-Balad (A Cidade) - Perguntas sobre a Outra Vida - Capítulo 36 , Ya Sin (Ya Sin) - Capítulo 3, Versículos 78-80: Crenças imperfeitas - Capítulo 2, Versículo 177: O versículo da virtude - Capítulo 2, Versículos 165 - 167: O maior pecado e como ser salvo - A Assembleia Diária do Profeta (parte 2 de 2) - A Assembleia Diária do Profeta (parte 1 de 2) - Capítulo 17, Al-Isra (A Viagem Noturna) (parte 2 de 2) - Capítulo 17, Al-Isra (A Viagem Noturna) (parte 1 de 2) - Capítulo 5, Al-Maidah (A Mesa Servida) (Parte 3 de 3) -
Este site tem por objetivo divulgar o Islam, seguindo a Ahlus Sunnah wal Jama'a (Seguidores da Sunnah e a Comunidade), o Islam em sua mais pura forma, o Islam que foi ensinado pelo nosso querido Profeta Muhammad (s.a.w.s) e seguido pelos seus Nobres Companheiros (Sahaba).
A Jornada para a Outra Vida (parte 8 de 8): Conclusão
  Clique aqui para retornar às Categorias de Artigos
Descrição: Algumas razões para a existência do Paraíso e Inferno.
Por IslamReligion.com
Publicado em 09 Mar 2009 - Última modificação em 18 Mar 2009
Visualizado: 1441 (média diária: 3) - Classificação: 5 de 5 - Classificado por: 1
Impresso: 115 - Enviado por email: 1 - Comentado em: 0

Categoria: Artigos > A Outra Vida > A Jornada Após a Morte

Muhammad, o Profeta do Islã que morreu em 632, relatou:

“Esse mundo é uma prisão para o crente, mas para o descrente ele é um Paraíso.  Enquanto que para o descrente a Vida Futura será uma prisão, para o crente será seu Paraíso.”

Uma vez, no período inicial do Islã, um cristão pobre encontrou com um dos grandes eruditos do Islã, que naquele momento estava montado em um belo cavalo e vestido com roupas finas.  O cristão recitou para o muçulmano bem-sucedido o hadith citado acima, antes de fazer a ressalva: “Ainda assim eu lhe apresento um não-muçulmano, pobre e destituído nesse mundo, enquanto você é um muçulmano rico e próspero.” O sábio do Islã respondeu: “De fato.  Mas se você soubesse a realidade do que pode esperá-lo (de punição eterna) na Vida Futura, você se consideraria agora no Paraíso, em comparação.  E se você soubesse a realidade do que pode esperar-me (de bênção eterna) na Vida Futura, você me consideraria agora em uma prisão, em comparação.”

Portanto, é por causa da grande misericórdia e justiça de Deus que Ele criou o Paraíso e o Inferno.  O conhecimento do Inferno serve para dissuadir o homem de maus atos, enquanto um breve olhar nos tesouros do Paraíso o incita a fazer boas ações e ser virtuoso.  Aqueles que negam seu Senhor, fazem o mal e não se arrependem entrarão no Inferno: um lugar de dor e sofrimento reais.  Enquanto a recompensa para a retidão é o lugar de beleza física e perfeição inimagináveis que é Seu Paraíso.

Com freqüência as pessoas testemunham a bondade de suas próprias almas alegando que qualquer bem que elas façam é pura e exclusivamente por amor genuíno a Deus, ou por viverem um código de moral e virtude e, por causa disso, não precisam de atrativos para se comportarem dessa forma.  Mas quando Deus fala ao homem no Alcorão, Ele o faz conhecendo a volubilidade de sua alma. Os prazeres do Paraíso são reais, físicos e tangíveis.  O homem pode começar a apreciar o quão desejável o alimento, vestimenta e moradia perfeitos e infindáveis do Paraíso podem ser justamente por ter consciência do quanto essas coisas podem ser doces e gratificantes nessa realidade presente.

“Aos homens foi abrilhantado o amor à concupiscência relacionada às mulheres, aos filhos, ao entesouramento do ouro e da prata, aos cavalos de raça, ao gado e às sementeiras. Tal é o gozo da vida terrena; porém, a bem-aventurança está ao lado de Deus.” (Alcorão 3:14)

Da mesma forma, o homem pode começar a apreciar o quão tortuoso e terrível o Inferno e suas guarnições podem ser justamente por ter consciência do quão terrível uma queimadura por fogo pode ser nesse mundo.  Assim, a jornada da alma após a morte, como descrita a nós em detalhes vívidos por Deus e Seu Profeta, Muhammad, que Deus o exalte, devem servir como um incentivo para o que toda a humanidade reconhece como seu propósito nobre: a adoração e serviço de seu Criador em amor, devoção e gratidão abnegados.  Afinal,

“E lhes foi ordenado que adorassem sinceramente a Deus, fossem monoteístas, observassem a oração e pagassem o zakat; esta é a verdadeira religião.” (Alcorão 98:5)

Mas, aqueles muitos entre a humanidade que, através dos tempos, negligenciaram seu dever moral com seu Senhor Deus e com seus iguais, não esqueçam que:

“Toda a alma provará o sabor da morte e, no Dia da Ressurreição, sereis recompensado integralmente pelos vossos atos; quem for afastado do fogo infernal e introduzido no Paraíso, triunfará. Que é a vida terrena, senão um prazer ilusório?” (Alcorão 3:185)

veja a matéria original em: http://www.islamreligion.com/pt/articles/418/

Hierarquia do Artigo:
Artigos A Outra Vida A Jornada para a Outra Vida (parte 8 de 8): Conclusão


Navegação de Artigos:

<< Artigo Anterior || Próximo Artigo >>
Compartilhar esse Artigo:
Url
BBCode
HTML

Meu Amor por Jesus
Nasci católico e como tal fui educado na crença de que o catolicismo era a única religião verdadeira. saiba mais
Ouça o Alcorão
Já está disponível em nosso site o "Nobre Alcorão e seus Significados em Português" saiba mais
Leia o Alcorão
Agora além de poder ouvir a bela recitação do Alcorão, você também pode ler o "Nobre Alcorão" saiba mais
Assista como fazer Oração
Saiba como praticar a oração, desde a ablução, até a recitação do alcorão em árabe. saiba mais
Últimos Vídeos
Divulga Islam
Somos um grupo de muçulmanos brasileiros que trabalha com a divulgação do islam na internet saiba mais

site desenvolvido por www.wsdbrasil.com.br Site Brasileiros Muçulmanos © 2009-2018

Powered by PHP-Fusion copyright © 2002 - 2018 by Nick Jones.
Released as free software without warranties under GNU Affero GPL v3

Os materiais postados neste site não refletem necessariamente as visões do Grupo Divulga Islam, o qual não reivindica responsabilidade sobre os artigos contidos neste site, sendo os mesmos de responsabilidade dos seus escritores.

É necessário utilizar o Firefox para este site
voltar ao topo